endometriose

Endometriose

Endometriose é uma condição comum na qual o endométrio prolifera e se espalha para fora do útero. Ele pode, então, implantar-se nos ovários e em outros órgãos pélvicos e causar infertilidade. No entanto, a condição com frequência é relativamente benigna e muitas mulheres concebem normalmente sem a condição ter sido diagnosticada. A causa da endometriose é desconhecida, mas tem sido sugerido que ela é uma doença de angiogênese (formação de novos vasos sanguíneos). Isso porque, nessa desordem, o endométrio, assim como as placas endometrióticas, parece ter uma atividade maior do que o endométrio de mulheres normais.

Acredita-se que a endometriose comprometa a fertilidade por causar obstrução mecânica através de adesões pélvicas, anatomia distorcida e dano ovariano ou tubário. Além disso, o processo ovulatório e a captura do óvulo podem ser perturbados.

Tipos de Endometriose

Existem alguns sistemas diferentes de classificação de endometriose. O mais amplamente usado é o da Sociedade Americana de Fertilidade (American Fertility Society), no qual a endometriose é classificada em quatro estágios: mínima, leve, moderada e severa, dependendo da extensão da proliferação e do grau de áreas de cicatrização e de adesões associadas.

Os sintomas de endometriose podem incluir períodos menstruais difíceis, dolorosos e prolongados. No entanto, há pouca correlação entre a severidade dos sintomas e a extensão da doença. Algumas pacientes com endometriose extensa podem não apresentar quaisquer sintomas. O tratamento da endometriose depende de sua severidade, se ela está causando infertilidade e se está causando sintomas. Vários tratamentos estão disponíveis, incluindo cirurgia e tratamento com drogas.

Tratamento de Endometriose

Se a paciente está infértil em decorrência de endometriose severa, cirurgia para remover tumores endometriais e adesões livres pode ser necessária. Cirurgia a laser para retirar implantes endometriais e liberar adesões está se tornando cada vez mais popular, mas requer equipamento especializado e caro. Suas vantagens são que ele é muito preciso e que o risco das adesões que se formam após a cirurgia reduz-se. A principal vantagem da cirurgia de qualquer tipo é que quando bem-sucedida, a concepção é possível dentro de umas poucas semanas da operação.

Se a paciente é infértil, mas a endometriose é leve ou moderada, o especialista pode recomendar uma tentativa de tratamento clínico antes da cirurgia de grande monta ser realizada. Já que é derivada do endométrio normal, a endometriose é hormônio-dependente. O tratamento clínico, portanto, depende de supressão da secreção de hormônio feminino por um período de até 6 meses com medicamentos, tais como análogos do hormônio liberador de gonadotrofinas. Durante o período de supressão, a endometriose regride, mas infelizmente todos os tratamentos atualmente existentes impedem a concepção. Os principais problemas com terapia com drogas supressoras são o período de tempo que leva (um problema importante para mulheres inférteis mais velhas) e o fato de que os efeitos colaterais desconfortáveis semelhantes aos da menopausa podem ocorrer durante o tratamento.

Em mulheres inférteis com endometriose severa, que não respondem a tentativa de tratamento com medicamentos e para as quais a cirurgia está contra-indicada, a melhor opção pode ser usar uma técnica de reprodução assistida como a FIV (fertilização in vitro).