shutterstock_12238291

Fertilização In Vitro (FIV)

A FIV é a técnica original do ‘bebê de proveta’, sendo provavelmente o procedimento de concepção assistida mais amplamente praticado no mundo. Em termos simples, a FIV remove vários óvulos do ovário, fertiliza-os no laboratório com o esperma do parceiro masculino, e transfere uma pequena seleção dos embriões resultantes para o útero, para implantação e gravidez. Embora a FIV tenha sido desenvolvida para tratar casais cuja principal causa de infertilidade é uma lesão tubária, foi constatado que a técnica é útil também nos casos de endometriose, de distúrbios do esperma (espermatozoides em número baixo ou com má formação), e mesmo de infertilidade não explicada. Estudos indicam que a expectativa de gravidez após um ciclo de tratamento é de aproximadamente 25 por cento, e que a probabilidade de parto é ligeiramente menor. No global, o índice médio de bebês levados para casa após a FIV é de aproximadamente 15 por cento para cada ciclo de tratamento. Esses índices não são muito diferentes dos de casais férteis normais. A maioria dos estudos mostrou que os índices de gravidez diminuem nas mulheres depois dos 35 anos, razão pela qual muitos especialistas em infertilidade encorajam os casais a agir rapidamente, quando a parceira feminina está com pouco mais de trinta anos de idade.

A FIV é utilizada para tratar casais inférteis com os seguintes diagnósticos:


• Doenças nas trompas que não pode ser corrigida cirurgicamente
• Esterilidade sem causa aparente (ESCA) e sem sucesso com IIU
• Infertilidade por fator masculino
• Endometriose – não responsiva a intervenção clínica ou cirúrgica, não responsiva a IIU
• Problemas imunológicos – não responsivos a IIU
• Esterilização voluntária prévia – Ligadura das trompas

Após a estimulação da ovulação, a paciente tem seus óvulos coletados por aspiração, com auxilio de Ultra-Som, sob anestesia local e sedação leve. Os óvulos são levados ao laboratório de gametas onde são identificados e classificados. Quatro a seis horas depois, os óvulos são inseminados com +/- 100.000 espermatozóides móveis. No dia seguinte é avaliada a fertilização, pela presença dos pronúcleos masculino e feminino. No segundo dia se avaliam as características da divisão do embrião (clivagem), e a transferência é feita em 48 ou 72 horas após a coleta dos óvulos. São transferidos no máximo 4 embriões, e os demais são congelados.

Passo a passo na FIV

Riscos da FIV

Os riscos da FIV são poucos. Nos casos em que mais do que três folículos crescerem mais que 14 milímetros , há riscos de uma gravidez múltipla, podendo acarretar o abandono do tratamento. A gravidez múltipla está associada a altos riscos de abortos ou bebês com peso abaixo do normal – como também maiores dificuldades sócio-econômicas. Também deverão ser descontinuados os ciclos que apresentarem indícios de uma rara condição conhecida como síndrome de hiperestimulação ovariana – motivo pelo qual o tratamento com drogas é sempre monitorizado . Uma dosagem muito alta da droga pode causar estímulo excessivo dos ovários, observado através de dores abdominais.