aborto de repeticao

“Não estão conseguindo engravidar? Por que vocês não adotam?”- A velha frase que se repete.

A maioria das pessoas que está com dificuldades para engravidar, já deve ter escutado, a famosa frase: ” Não está conseguindo engravidar? Adote! Tem tanta criança precisando de um pai e uma mãe!”. Como se esse fosse o remédio para a infertilidade e ponto.

Percebo que muitas pessoas que estão passando por problemas para engravidar e que, no momento, não cogitam adotar, acabam se sentindo meio culpadas em não desejar a adoção, pois se existe tanta criança abandonada, caberia a elas, mais do que a outras pessoas, colaborar para que esse número diminua.

Acontece que, nem todo mundo que vive a infertilidade cogita a adoção como possibilidade para si- e isso não é um absurdo. A maioria das pessoas que se depara com a infertilidade deseja um filho biológico como primeira opção, porém, se com o tempo e os tratamentos esse filho demora a chegar, percebo que a adoção pode passar a ser cogitada como um possível caminho para a realização do sonho de ser pai e mãe.

No entanto, a adoção só será bem sucedida se realmente houver abertura para amar uma criança adotada como sua. Se o luto pela perda do filho biológico não acontecer, não há como esperar que pais e criança fiquem bem. Por isso, costumo falar que a adoção não é para qualquer pessoa, somente para as que estão abertas a essa possibilidade de realização do desejo.

Outra frase bem comum do senso comum é: “Adote que logo você engravida!”, simples assim, como uma receita de bolo!

Essas soluções prontas, realmente, preocupam! E fico ainda mais preocupada com as pessoas que acreditam nisso e criam a fantasia de que esse é o caminho para resolverem seu problema.

Uma criança a ser adotada precisa encontrar um lugar de filho junto aos pais adotivos, e não vir com a função, na fantasia dos pais, de abrir caminho para o filho biológico. Precisamos ser cuidadosos quando buscamos soluções para nossos problemas.

O fato é que no meio à sua volta, nunca faltarão pessoas para dar palpites em como você deve resolver sua dificuldade de gravidez, e, na fragilidade emocional que envolve esse momento, não é difícil levar em consideração o que é dito sem avaliar, realmente, o que se deseja fazer para possibilitar a chegada dessa criança.

Cada casal, cada pessoa, precisa avaliar com cuidado e sensibilidade os caminhos que lhe são possíveis trilhar na busca por esse filho, quer seja através dos tratamentos para infertilidade ou pela via da adoção.

 

Dr. Artur Dzik:

  • Presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana – SBRH – 2010 / 2012
  • Representante Brasileiro da IFFS (International Federation of Fertility Societies) – SCIENTIFIC COMMITTEE 2010 / 2013
  • Diretor do Serviço de Esterilidade Conjugal do Hospital Pérola Byngton São Paulo
  • Especialização em Reprodução Humana no Hôpital Antoine Béclère, Paris – França – 1993 / 1994
  • Médico especialista em Ginecologia e Obstetrícia pelo Hospital das Clínicas da FMUSP
  • Mestre em Ginecologia pela FMUSP – 1995
  • Doutor em Ginecologia pela FMUSP – 2000
  • Título de especialista pela FEBRASGO – 1991
  • Idiomas: Inglês e Francês